Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

espigas 2k3

espigas 2k3

Se eu fosse rico...

Ah! Se eu fosse rico! Comprava uma sala de cinema só para mim, criava uma distribuidora para poder trazer para o nosso país algumas pérolas que ficam no limbo internacional, enchia a minha (nova) casa com DVD's até ao teto, provenientes de todo o mundo...e depois acordei.

Ora, esta deambulação mental passou-se no condicional, como nos quer fazer crer o título do filme "Ah! Si j'étais riche". Mas a verdade é que durante a maior parte da história isso é já um facto consumado. O ator Jean-Pierre Darroussin interpreta Aldo, um vendedor/distribuidor para uma companhia de produtos capilares, que se vê de repente rico. Podre de rico. Aldo descobre que é o único totalista de um prémio de dez milhões de euros (minha nossa Senhora!). Mas as coisas em casa já não estavam nada bem. Depois de um dia desastroso, em que descobre que a mulher (Valeria Bruni Tedeschi) o engana com o seu próprio patrão (Henri Guybet), antigo colega de escola na infância, e depois de um acidente com o seu recém comprado em volume em segunda mão, Aldo decide ocultar o facto para poder ficar com o prémio todo, já que está casado com comunhão de bens adquiridos.

O resto do filme é uma miríade de gags que poderiam entrar muito facilmente em qualquer comédia romântica britânica ou americana. Este filme sofre aliás desse síndroma. Tenta a todo o custo seguir os "ensinamentos" ingleses, perdendo-se por vezes em algumas cenas desnecessárias e algo desenquadradas com outro nível de humor menos refinado.

"Ah! Si j'étais riche" é um filme de entretenimento puro, a que não seria de desdenhar a possibilidade de um remake americano. O filme foi realizado e escrito a meias entre Gérard Bitton e Michel Munz, uma dupla que já se encontrara por duas outras vezes nos sucessos de bilheteira (em França) de "La Vérité si je mens!" e respectiva sequela.

Segundo estes argumentistas, agora definitivamente convertidos à realização, a história pretende mostrar que mesmo depois de ganhar um prémio tão grande como o Loto francês, a felicidade não é um dado adquirido. Pode não ser, mas que ajuda, lá isso ajuda.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D